Cadeira 33 - Neusa Deusandra Fortunato


Eliezera Josefa Romão Lutumba Bunga, usa o pseudónimo; Neusa Deusandra Fortunato, nascida aos 9/9/1998 De nacionalidade Angolana Nasceu em Luanda no Municipio do Cazenga Filha de Bunga Paulo e de Maria Lucia Romão Mualuenze Estudante do curso de Saúde no IMFAD É apaixonada pela escrita poética á mais de 9 anos É membro, escritora e Poetisa no Movimento Lev'Arte em Luanda/Viana Pensa em publicar a sua primeira obra poética que tem como o titulo: OUTRA PARTE DE MIM em 2017 Gosto de arte, por eu ser á arte do meu mestre, Deus!! Fontes de inspirações: Humanidade... 



Pensando

Há noites em que apetece-me
Correr pelos compartimentos
Da casa, gritando em voz alta
O quanto eu amo você.

Por vezes pego a rua dos meus
Sentimentos com o carro da
Saudade, apreciando o sufoco
Da distância em um ambiente silencioso.

Viajo sem saber o destino
As horas passam, parece que
Que tudo está perdido, em mim
Busco a razão de amar você perdidamente.

Em noites como está
Abraço a esferográfica e o
Papel para descrever a vontade
De voar para os seus braços.

Eu reprovei os seus erros
Em troca respeitei os seus
Defeitos e amo você mais
Duque aos outros homens.

Há noites em que os fantasmas
Adormecem, e eu tomo o meu
Manto sagrado para viajar
No tempo e nas recordações.

Em noites como está as emoções
Epinotizam-me o cheiro do seu
Corpo no passado regressa ao
Meu presente solitário.

Confesso que em noites como está
Eu penso em correr e gritar para
O mundo e dizer que sinto
A sua falta meu moreno crespo.

Em noites como está
Enfrento-me... 


Sem tema !!

Sou um poema sem tema
Que no seu olhar viveu
E no seu sorriso morreu
Como o jardim melancolico

Do nada que é sem talento
No desalento da vida sem tempo
Já não vivo, olha bem pra mim
Sou um teto sem falso em decomposição

A longevidade desta vida é amar-te
Por destino, enquanto minha consciência
Vaguea na saudade que me vai matar

Minha fraqueza é sua voz,meu calafrio
É o seu penetrar em mim,sua temperatura é minha
Cobiça e meu cabimento é um poema sem tema.

Autora:Neusa Deusandra Fortunato
Reserve o direito do autor
2017/05/13/-22:35


Noites em claro

Há noites em que apetece-me
Correr pelos compartimentos
Da casa, gritando em voz alta
O quanto eu amo você
Por vezes pego a rua dos meus
Sentimentos com o carro da
Saudade, apreciando o sufoco
Da distância em um ambiente silencioso.

Viajo sem saber o destino
As horas passam, parece que
Que tudo está perdido, em mim
Busco a razão de amar você perdidamente
Em noites como está
Abraço a esferográfica e o
Papel para descrever a vontade
De voar para os seus braços.

Eu reprovei os seus erros
Em troca respeitei os seus
Defeitos e amo você mais
Duque aos outros homens
Há noites em que os fantasmas
Adormecem, e eu tomo o meu
Manto sagrado para viajar
No tempo e nas recordações.

Em noites como está as emoções
Epinotizam-me o cheiro do seu
Corpo no passado regressa ao
Meu presente solitário
Confesso que em noites como está
Eu penso em correr e gritar para
O mundo e dizer que sinto
A sua falta meu moreno crespo.
02:13
2017/02/01


Feliz noite

Quando a noite chegar
Não grites, simplesmente
Abraçe seu manto e vá
Escutando cada passo
Do silênçio e em seguida
Abraçe forte seu lado esquerdo
Para que sintas o batimento
Do meu viver no seu interior vá
E durma pensando em todos os
Versos que para si escrevi
Sem receio de ser mal falada
E pedi sua leitura para não morrer...
Quando a noite chegar
Lembra daquele nosso beijo
Afogante e desejado e eleve seus
Dedos para os lábios para
O sabor sentires novamente
E no por-do-sol feche seus olhos
Imagine a primeira vista
De minha silueta numa ceda
Preta ,deslunbrando todo o meu
Ser de mulher sedutora e toque
Seus olhos para sua mente despertar
Seu doente ...
Quando a noite chegar
Não fala nada deixa tudo assim
Mais eleve sua alma para o profundo
E maravilhoso silênçio e...Vá
Meu urso bipolar vá lá
Abraçe tudo que lhe vier em sonho
Menos a mim ...


Trago-te

Trago-te orquestra do vento
Sinfônicamente toco-te amando
Como a melodia mais bela do meu
Ventre, filho naturalmente sua mãe
Eu sou.

Nas acácias do meu país rubro-te
Editando em ti os meus versos
Verifico vidas vindouras, trago-te
Comigo és uma parte de mim
Naturalmente sua mãe eu sou.

Trago-te comigo desde o canto da
Kianda'rasgo e arrasto meu
Pesadelo para o passado
Alimentando assim nossas almas
Soltas.

Límpidamente expresso-me como sua...

Trago-te nos traços do meu
Coração apaixonado espantado
A vivência dor da solidão
Imaginária.

Trago-te na minha dose de
Loucura poética para dizer-te
Que és um poema...

Data 2017/02/18


Não mereces.

Não mereces meu perdão
Não mereces nem sequer
Um olhar meu, não não mereces
Não me venhas hum!!!!!!!

Não mereces não! '

Não mereces meu perdão
Porque não és digno
De ouvi-las
Não não!!

De mim nunca! Já mais ouvirás
Palavras de ternura vindas de mim
Voaste da minha vida que nem
Morçegos da múmia.

Colheste seu orgulho que
Nem figos, fizeste-me
Escalar a montanha do everest
Para provar suas traições.

Não mereces meu perdão...

Na verdadeira natureza poética
Os poetas e poetisas não precisam
De homens e mulheres para sobreviver,.

Na verdadeira natureza poética
Os poetas e poetisas precisam
De metafóras para compor
Dos mais belos poemas...

Direitos de autor reservado.

Data:2016/06/23