Cadeira 34 - Cidah Viana


Maria Aparecida Viegas Viana, de nome artístico Cidah Viana, nasceu em Pará de Minas, filha de Job Viegas Viana e Onésima Flauzina Viana. Atriz, Escritora e Poetisa Já atuou em 82 peças teatrais e dirigiu outras 43, muitas delas com textos de sua autoria, tendo inclusive recebido Diploma de Honra ao Mérito em 2009 Placa de Homenagem em 2011 da Academia Divinopolitana de Letras. Foi diplomada Membro Honorária da Academia Divinopolitana de Letras em 15 de outubro de 2012. Membro da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Eleita Rainha dos Artistas de Minas Gerais/2015 em 6 de fevereiro do mesmo ano.



PRESENTE DE NATAL

Querido Papai Noel!
Não, querido não.
Papai Noel,
hoje quero falar uma coisa muito séria.
Já falei isso pessoalmente quando criança
mas o senhor nem me deu bola...
Talvez agora adulta o senhor me escute.

Tenho observado suas atitudes...
Não mudaram nada desde a minha infância...
O senhor não vai nunca aprender a fazer justiça?

Não me esqueci daquela cartinha que lhe escrevi
pedindo uma boneca grande, de cabelo,
com olhos que abriam e fechavam...
Ainda lhe contei na minha cartinha
que meu pai tinha doze filhos
e não tinha condições de comprar...

Meu coração se acelerou na noite de natal.
Quase não dormi, ligada no barulho de seus passos
chegando em minha casa...
Não ouvi e adormeci.

Quando acordei fui correndo ao presépio
pegar no meu sapato a boneca.
Que decepção...
Uma boneca miudinha, de plástico,
com uma raquete nas mãos agarrada em seu corpo.
Nem dava pra fazer roupinha...
Mesmo assim me alegrei e pensei: coitadinho,
talvez o Papai Noel é tão pobre quanto nós...

E saí alegre para a rua,
brincar com as outras crianças
e mostrar meu presente.

Nem a magia do Natal conseguiu sustentar o meu sorriso
quando vi que as duas vizinhas,
que eram ricas e o pai trabalhava no Banco do Brasil,
ganharam bonecas grandes, de cabelo,
olhos que abriam e fechavam e ainda cantavam...
Meu Deus...
Que injustiça Papai Noel!
O pai delas pode comprar, o nosso não.
Puxa saco!!!

Hoje venho aqui pedir um presente
para que o senhor possa redimir suas faltas:
Eu quero uma Estrela.
Aquela mesma que ficava nas caixas
das bonecas das minhas vizinhas...
Sei que essa Estrela é mágica
e vai iluminar minha vida
nas horas de escuridão.
Com carinho,
Uma eterna criança.


Teatro
de Edson Gonçalves Ferreira
para Cidah Viana

Teatro consagra
Todos nós estamos no palco
Afinal, a vida é drama, tragédia
E, muitas vezes, comédia...
Somos bonecos coordenados
O código da sociedade
Papéis tipificados
Nós, artistas e atores não
Atravessamos os códigos
E instalamos uma nova ordem
Valorizando a beleza do ser
Do jeito que Ele, o Criador, gosta
A diferença no respeito
Vina a arte de Téspis.

Edson Gonçalves Ferreira


O MENINO DOS MEUS OLHOS
(Homenagem recebida do meu neto Rayce Vianna)

"Vó é mãe com açúcar!"
"Vó é mãe duas vezes!"
E ele é tão meu que veio morar comigo...
Cuidar da Vovó...
E, do nada, me presta uma homenagem nas redes sociais
que me fez chorar:

"É aquela mãe, é aquela que mima,
que cuida e que quando precisamos está lá,
com o colo quentinho
para passar a mãe em nossa cabeça.

É aquela que dá doce, é aquela que
sempre quando precisamos de um trocado,
ela tira daquela pequena bolsa
e nos dá bem mais do que imaginamos.

É aquela que se vira
para ver um sorriso em nosso rosto
e que fica sentida quando vê uma lágrima
descer pela face do netinho...

Vó não é só aquela senhora
que fica na cadeira de balançar
fazendo crochê...
A palavra Vó tem força,
tem sentido e tem significado.

"V" de vontade, vitoriosa...
"O" de orgulho.
E o acento agudo?
O acento é só um grampo
que a Vovó usa no cabelo.
(Rayce Vianna - EU AMO VOCÊ <3 - 26/06/17)."

Minha resposta nas redes sociais?
"- Pronto, chorei!"
Te amo absurdamente, querido neto!


O PALHAÇO

Os títulos caem atrás da máscara...
Sobra apenas o Palhaço
com sorriso puro e coração de criança.
Desse coração sai um pedaço do seu nariz,
por isso é vermelho.
Vermelha também é a blusa
para esconder o coração adulto
que às vezes sangra...
O Palhaço não pode chorar...
Engole o choro de tantos momentos tristes
vivenciados, que só desaba quando se despe.
E mantém firme o sorriso...
E ganha sorrisos lindos...
E abraços abençoados.
E se ilumina...
A cada quarto, um encontro com Deus!

Cidah Viana - 05/06/17.


BENÇA, MÃE!

O dia das mães se aproxima.
Semana difícil para quem tem a mãe lá no céu...
Sim, todas as Mães vão pro céu.
Semana de euforia na infância...
Retalhos de papel, lápis de cor.
E os cartões iam enchendo a caixa de sapato.
Mensagens puras e verdadeiras.
No portão de casa, eles eram vendidos
para garantir o presente da mamãe.
E como eram enormes os presentes:
Um botão de rosa... um saleiro...
um porta retrato...
Um abraço apertado e um sorriso de contentamento.
E agora, mamãe?
Os lápis perderam a cor...
Posso lhe dar um buquê de rosas...
Um aparelho de jantar...
Um álbum cheio de fotografias...
Mas, cadê você?
O sono chega, entre lágrimas...
Bença, Mãe!
Juro que escutei:
- "Deus abençoe, minha filha!"

Cidah Viana - 05/05/17.


ELE É O NOSSO REI!

Um Rei com coroa de espinhos...
Símbolo dos nossos pecados.
Um Rei com as mãos ensanguentadas...
Marcas dos nossos pecados.
Um Rei que carrega uma cruz...
Peso dos nossos pecados...
Um Rei pregado na Cruz!
E o que temos feito para agradecer?
Retiramos os espinhos?
Curamos as feridas do corpo e da alma?
Aliviamos o peso?
Ou teremos em nossa parede apenas
o símbolo de um Rei pregado na Cruz?
Que tenhamos uma Santa Semana de reflexão...
E não um feriado de Semana Santa!


FLOR DE LÓTUS

Um dia desses, vi uma flor muito bonita
e como faço com tudo que é belo fui pesquisar
para conhecer melhor aquela maravilha.
Flor de Lótus.

Surge imaculada da água lodosa.
Como pode?
De um lugar tão feio, nascer uma flor tão linda?
Deu vontade de apagar as coisas ruins do passado e começar de novo.

Na pesquisa descobri que ela é o símbolo da pureza e renascimento.
É protegida pelos quatro elementos:
Água: fornece a linfa para dar força do crescimento.
Ar: Energia através da brisa.
Fogo: Calor, através do sol, dando-lhe o impulso do desabrochar.
Terra: Alimenta suas raízes.

Fiquei pensando...
Quantas "Flor de Lótus" existem em nosso convívio...
que mesmo em um ambiente triste, sombrio,
desabrocham vitoriosas.

Aprofundei um pouco mais em meus pensamentos
e percebi que nem toda Majestade nasce em um Palácio...
Foi em uma manjedoura, no meio dos animais
que nasceu um Rei.
O maior deles!


VAI REMANDO CANOA...

Resolvi abandonar meu barquinho de papel.
Frágil demais pra suportar a viagem.
Voltei para a minha canoa...
Minha imaginária canoa da infância.

Deitada sobre ela me sinto protegida.
É como se me envolvesse num abraço.
E me entrego ao balanço das águas.

A viagem está perigosa.
A tempestade não quer passar.
Por um momento senti que ia despencar
mas uma corrente humana segurou minha canoa...

Agora descanso nas margens à sombra de um Carvalho...
Tudo ao meu redor é forte...
Só eu me sinto fraca.
Não posso continuar assim.

Fecho os olhos para um sono reparador.
A viagem precisa continuar.
Um sonho agitado, ouvindo gritos, muitos gritos:
Fé! Força! Coragem! Creia! Você vai conseguir!!!

E o eco se materializa e vai entrando em mim.
Uma fé inabalável...
Uma força divina...
Sim, eu creio! Eu vou conseguir!

Abro os olhos e me sinto confiante.
Pronta a prosseguir.
Acenando para as minhas âncoras:
filhos... parentes... amigos...
na certeza de encontra-los na próxima parada,
abro meu velho sorriso e grito bem alto:
Vai remando canoa!!!


FLID 2017 - FESTA LITERÁRIA DE DIVINÓPOLIS.
A RODA DA VIDA NÃO PODE PARAR!

Idealizada pela Editora Gulliver e a Boutique do Livro, tendo como responsáveis, Daniel Bicalho, Denise Mendes Arantes Bicalho, Juarez Nogueira e Joubert Amaral, a FLID 2017 - Festa Literária de Divinópolis, em sua quarta edição, foi realizada nos dias 25, 26 e 27 de agosto, com mais de quarenta atrações.

O evento literário composto por dias de exposições artísticas, palestras e shows realizados no espaço do Teatro Municipal Usina Gravatá, atraiu pessoas de várias cidades.

O grande homenageado desta edição foi o escultor divinopolitano Geraldo Teles de Oliveira - GTO.
"Esculpido em madeira e rico em detalhes, o trabalho de Geraldo Teles realiza mitopoética coerente com a ideia de que a roda da vida não pode parar. O artista une símbolos geométricos do círculo e do retângulo à figura humana para construir a imagem de si mesmo. Nos trabalhos se fundem elementos emblemáticos da cultura popular, temas regionais como as festas religiosas e as danças do interior de Minas, mesclados ao sagrado e ao profano" (Portal Uai).

Bate papo com autores da ADL - Academia Divinopolitana de Letras na Tenda de Cinema e com autores de renome como Reinaldo Figueiredo, Olavo Romano, Túlio Damascena, Ronaldo Simões, Carlos Herculano Lopes, João Marcos e Rodrigo Robleño, no Teatro Gravatá, foram atrações muito esperadas.

Para a Tenda de Autores Independentes, tive a honra de ser selecionada para lançar o livro MOSTEIRO POÉTICO na programação da FLID 2017. Uma oportunidade maravilhosa de projeção. Gratidão eterna.

Com tantas atrações, palestras, contação de história, teatro, dança, música, lançamento de livros, bate papos com autores, atingindo um público adulto e infantil, temos a certeza que "A RODA DA VIDA NÃO PODE PARAR!"

Parabéns aos organizadores!
Que festa linda!


Acróstico recebido da Secretária Geral da AMCL - Academia Mundial de Cultura e Literatura, a queridíssima Maria Angélica de Oliveira, o que muito me honrou, no lançamento do meu livro MOSTEIRO POÉTICO:

CIDAH VIANA

C riança matreira, mineira arretada, atriz consagrada
I ncomparável talento, estrela em singela ascensão
D outora Sarah Tudo, dama de mil faces e histórias sem fim
A mestra, mãe, amiga, autora de indiscutível teor
H onesta na conquista de mais um degrau na escada da vida.

V alente, guerreira, uma mulher a frente de seu tempo
I novadora e incansável na divulgação da arte e da cultura
A udaciosa, não se detém frente aos obstáculos que surgem
N otável representante do Teatro e zeladora com os teus
A ssim é Cidah Viana, Cidah cigana, Cidah mulher.

Maria Angélica de Oliveira
Secretária Geral AMCL - 10/05/17


CIGANA BIANA

Pé no chão...
Atrai da terra a energia.
Tem muito amor no coração...
Encanta a todos com sua magia.

A magia de fazer o bem, de perdoar e proteger.
Sofre preconceito mas não se intimida...
Rodopia tecidos coloridos
como se em uma das voltas
todo mal vindo de fora se desprendesse
e fosse levado pelo vento.

Nômade, vive apenas o hoje.
Sacode a saia e se envolve em seu véu.
Filha do vento e das estrelas,
sua casa é a terra, seu teto é o céu.

24 de maio tem paradeiro certo:
Saintes Maries de la Mer,
na França, região de Camargue.
A maior festa em honra à Protetora
Santa Sara Kali, ela nunca vai perder.

E volta ao seu mundo...
E dá volta ao mundo...
E dança, e protege, e canta...
Atrai riquezas, maridos, empregos...
Nada para si...
Sua maior riqueza está protegida:
Sua alegria que sempre encanta!


Devidamente autorizada, uso meu espaço de postagem oficial de hoje para mostrar ao mundo o Grande Poeta, Antônio Lourenço Xavier, de Divinópolis/MG - Brasil, que no dia 25/03/17 voltou para os braços do Pai. Voltou para os braços de sua Vitória!

Sua vida de amor a todos, principalmente à família, é exemplo a ser seguido. E é em suas poesias que ele divide conosco o amor pleno, na nobreza da simplicidade:

CORAÇÃO VAZIO

Em memória da minha saudosa esposa Vitória

Na madrugada silenciosa e fria
do consagrado mês de Maria,
há cinquenta e sete anos de casado
com minha primeira namorada,
naquele dia fazia dois anos
que Deus levou a Vitória da minha vida!...

Mergulhei num mundo de recordações
e foram tantas emoções que meus
olhos encheram de lágrimas, e num
suspiro fundo perdi o sono...

Revirando na cama acordado
e já cansado de mudar de lado,
vi a aurora de camisola rosada
em cima da hora, se levantar,
e o sol sem perder um segundo
romper as cortinas noturnas,
e num sorriso triste acordar o mundo!

Todas as manhãs nessa hora, eu
sentia um beijo de leve no rosto
abria os olhos ainda indisposto,
a minha Vitória já estava de pé
na cozinha, preparando o nosso café!

Quando me levantava, ela me recebia
com aquele festivo sorriso, que iluminava
o nosso abençoado paraíso,
sempre verde, e florido de amor.

Num dia em que só Deus sabia
a minha Vitória fechou os olhos
e aquele festivo sorriso apagou
como uma forte lâmpada acesa
que de repente se queimou.

Só quem já amou como eu amei
e passou por tudo que estou passando
sem jamais saber até quando,
sabe avaliar o tamanho da minha dor!

Recebo carinho, atenção e cuidado
da família, mais do que mereço,
tenho condição material e espiritual
pra viver: mas eu me pergunto:
pra quê? Os meus três filhos formados
e bem encaminhados na vida,
graças a Deus nossa missão cumprida!...

Mas depois que você foi embora,
minha saudosa e nobre Vitória!
A vida me virou de pés para cima
e a cabeça apoiada no chão
porque não vejo, mais nada neste mundo
que preencha o vazio tão fundo!
Que você deixou no meu solitário coração!!!

Antônio Lourenço Xavier - 17/05/2011
Do livro: ASAS DA IMAGINAÇÃO.