Cadeira 36 - Ana Carvalhosa


Nasceu em Lisboa, Portugal, casada, mãe de 3 filhos. Escritora e Poetisa. Adora trabalhar e escrever, ama o seu trabalho e adora partilhar. Participa em quase tudo que a convidam Não tem ambições de ser, limita-se a viver para que nada nela se estrague e, possa continuar a ser fiel aos seus principios, de corpo e alma. O único adjectivo a que se permite identificar é o de autora de suas letras, não procura inspiração em ninguem, somente nela Adora a solidão e descobrir o que mais tem a dizer, como se estivesse cumprindo uma missão.






o ser humano é...
revestido de um instante
mesquinho 


só a ti me entrego
folha prenha de emoção
enquanto estás branca e alva
e em ti me fazes cair tentação

só por ti sei as voltas que abraço
um abraço que envolvo até sufocar
e nada mais possa dizer
que não seja é em ti meu viver

canto-te choro-te e devoro-te
em cada canto que a linha finde
para voltar a página e corar
despi-te e vou-te amar

se vivo em ti assim
meu viver não tem fim
és pois um bocado de mim
sim!


Não te quero ver
nem em sonhos
o real e o verdadeiro ser
está além de qualquer olhar
indiferente a qualquer parecer
indefinido por viver
sentir e querer
sem tristeza ou dor
no verbo puro do amor
onde te quero encontrar
possivelmente mais amar
possuir-te e deixar-te partir
voltar e ver-te sorrir


,
não será diferente
,

deitados nos teus fardos
andamos teus filhos humildes
sentindo a intensa areia
no calor de desertos
as alucinações que nos deste
ter água e nada ter
num corpo ao amanhecer
servir-te é viver
na formatura de um eclipse
onde a lua e o sol
seu amor dará em esconder
faça-se o propósito
de propósito ou precipitado
tal queda de um rio
no lago de um mar encontrado
viver é só um eco fundo
neste doirado estado
humilde servo, apaixonado
teatros das comédias
camélias cheirosas
um tanto adocicadas
pelos cactos cheios de trovoadas
não será diferente se amanhecer...
,
ana'Carvalhosa©direitos reservados


.
viver é saber
mudar de cor
e continuar em
si flor
menina solidão
e amor
...

ana'Carvalhosa©direitos reservados 


.
,
Continuam vapores nos meus olhos a cair
Sempre que de mim apartas e sais a sorrir
Continuo a querer a liberdade de expressar
O teu ser no meu quando passas a voar
Largas um simples beijo e ficas calado
Na minha natureza ao meu lado a passar
Estás tu simples brilho do meu olhar tombado
Andais ainda devagar mas hás-de lá chegar
Espero-te e continuarei sempre a esperar
Porque um dia a humanidade verá
Que nada é melhor do que te amar
Talvez em seitas grupos fechados
Talvez em companhias de sonhar
Porque as marés simples da vida
Nos levam a encontrar
A conclusão das tuas nuvens
O salgado das tuas curvas
As explosões de um vulcão
Até quando tropeças e abanas
Estruturas da solidão
.
ana'Carvalhosa©direitos reservados  





Enquanto em ti almeja
a carne em desejo
em mim só flameja
o beijo que deixo
numa carta fechada

estarei nua numa letra
redondinha de prazer
para que aos olhos fechar
ainda assim aí te possa ver

tão perfeito simples e atrevido
como me haveis surpreendido
naquele traço que foi feito
e em selo ainda detido

prisioneiro de um beijo
não mais esquecido


Não preciso de contar tudo
o que me sei é pouco
e o resto é quase mudo 


,
a emoção do seu riso no prazer de nada saber, tudo é um mundo à descoberta, onde tem a sua palavra a dizer, assim é melhor o adulto se compreender uma criança
,
ana'Carvalhosa©direitos reservados 


Quando
o homem for
um currículo
eu quero ser
a sua folha
de papel.
/..
Quando o homem for um currículo eu quero ser a sua folha de papel...
Onde possa livremente estender-se num sem querer de lucidez e prazer
E poder dizer e anunciar a toda a gente que a sua maior liberdade foi viver
Livre de nomes e subnomes títulos e galões só preso às suas acções
Numa biografia que só pode despertar quando âncora deste mar içar
Lá para além dos enormes portões onde todo o homem dá em caminhar
E finalmente em folha branca possa escrever na essência da tábua o ser.

ana'Carvalhosa©direitos reservados


.
tenho uma única certeza...
a de que passo igual em todas as formas
em todas aquelas estruturas em que me rotulas
insistes persistes e não desistes
mas no rótulo do que me dizes
nada acrescentas porque insistes?

tenho a certeza, uma única
não oscilas a minha postura
sigo hirta e firme no vento que me assiste
sem negócios de trocas ou vendas prematuras
meu rótulo é branco e ainda por escrever
e enquanto aguardo, vivo
livre no meu pensamento
onde até eu me espanto
quando ele ocorre-me translucida água
fria e prostrada como na nascente
só parecendo fogo, se páro,
na pele de muita gente

uma certeza única tenho
sou a porcelana da mistura
do elemento que me conjuga
respeito, paz e amor
tudo o resto... é fusão
siga seu caminho por favor

.
ana'Carvalhosa©direitos reservados