Cadeira 48 - Janete Sales


Janete Sales Dany é natural de São Paulo Capital Participou de várias Antologias na internet: Antologia Imagem e Literatura PEAPAZ Antologia do Portal CEN: Ponte literária entre Portugal e Brasil FÊNIX - Antologia LOGOS Participou em dois livros das Antologias do Grupo Editorial Beco dos Poetas: Alma de poeta e A lua sobre nós Tendo também três livros na Antologia Platinum : Editor Prima Obra Platinum II - Platinum IV - Platinum XIV - Solariun Participação na "Revista Viva Cultura" 2ª edição Associação Artística Janet Finatti - Eventos culturais de Varginha-MG Site próprio: https://deixesualuzbrilhar.blog.br/ Blog Principal: https://danysempre.blogspot.com.br/ YouTube: https://www.youtube.com/user/JaneteSalesDany 105 "meu Amor, As estrelas do céu



Poesia do Adeus para sempre!

Olho no céu azul e penso em quem não está mais aqui
Lembro-me dos olhos e do sorriso que já não me sorri
Do abraço que já não me abraça mais
Da companhia de alguém que me causava paz!

A voz que meus ouvidos escutavam todos os dias
Presença que se findou como o final de uma bela melodia
E lá no horizonte a saudade se encaminha como quem procura
Como se esquecesse do adeus selado na sepultura!

Onde está o calor que aquece o coração?
Só restam imagens que se afloram na minha imaginação
Queria que o tempo retornasse para antes do adeus para sempre
O meu abraço seria tão intenso que duraria eternamente!

Não mando nas leis da natureza, é verdade!
Deveria existir um remédio para curar a saudade
Ainda teria o aceno forçado e a lágrima caída
Porém não levaríamos para sempre a dor da despedida

Hoje eu estou aqui e muitos estão
Amanhã talvez eu não esteja e muitos não estarão
Olhe do seu lado e abrace todos que puder abraçar
Entre encontros e despedidas vamos sorrir para depois chorar!


"SOMOS ETERNOS"

Um dia vão se lembrar....
Somos eternos...
Somos uma energia que sobrevive
mesmo quando nós deixamos este mundo!
Cuide da sua energia!
Porque quando você se for...
Tenho certeza que vai querer as pessoas
sorrindo ao dizer seu nome!


Em minha mão cabe toda alegria

Eu estou fazendo do meu farrapo
uma roupa deslumbrante
Vou me levantar da poeira
como nunca fui antes
Não duvide do que
eu posso ser um dia
Sou força e não covardia!
Olhe em minha mão vazia
Nela cabe toda alegria
Vai duvidar?
Por favor, não duvide...
Porque eu vou buscar!


Soneto Instinto Predador
Versos Decassílabos Heroicos

Moça de olhar bonito que brilhava
Tinha a cintura fina, airosa flor...
Mas dentro dela o mal predominava
Era fácil fingir que tinha amor

A beleza de fora fascinava
Um segredo, lá dentro, só rancor!
E assim de todos, ela debochava...
Mal na mente do instinto predador

Tantos seres que foram enganados
Tanta dor para aqueles vitimados
Num mundo de fachada e sedução...

Pobre dos que passaram no caminho
Amar a alma de alguém, puro carinho...
E almejar o de fora, uma ilusão!


Mundo Estranho

Ele andava por muitos lugares
e estranhava todos os que cruzavam o seu caminho!

Ninguém falava o que ele queria ouvir

As pessoas não procediam de uma forma,
que ele as respeitassem

Não havia um único alguém parecido com ele
e de tão exausto ele se deu por vencido!

Ele pensava, pensava e se perguntava:

-Que mundo estranho é este?

Então ele passou a viver uma vida de solidão,
pois aquela situação não tinha mais conserto!

Só que ele em nenhum momento cogitou em pensar,
que o estranho...era ele mesmo!

As pessoas nunca vão preencher
todas as nossas expectativas,
quem vive com esta intenção,
corre o risco de viver na solidão!

Janete Sales Dany
Registrado e imortalizado na Biblioteca Nacional


Eu fito as estrelas de perto

Caminho na direção do horizonte
Liberdade é beber água na fonte
Carrego o orgulho do que eu sou
Muitos perguntam aonde eu vou

Prezo o meu pai; amo o meu filho!
Não me desvio jamais deste trilho
Nas noites escuras e outras de lua
Você já me viu caminhando na rua

O meu olhar dissimula um sofrimento
De ver que muitos teimam um silêncio
Como adormecer o terrível holocausto?
Pensamentos que me deixam exausto

Observo que ainda há tanto preconceito
Meu coração se revolta ansioso no peito
O certo mostra que não segue em frente
Padeço com as lágrimas da minha gente

Elimina toda angustia minha Santa Sara!
Confio e sei que ela não nos desampara
Sigo apesar de toda esta constante luta
Eu jamais irei desviar a minha conduta

Deves saber quem eu sou e sem engano
Coragem e fé há no meu coração cigano
O meu ânimo se exprime no céu aberto
Desta forma eu fito as estrelas de perto

Janete Sales Dany
Registro: 624465

Todos os direitos reservados
Poesia Registrada na Biblioteca Nacional


SABEDORIA
Ele jogava sementes nos dias
sem sol e chuva...

Muitos gargalhavam
e diziam que era perda de tempo.

Mas a natureza recompensou
tanta esperança

Choveu sobre a terra seca
e o sol iluminou
o nascer de todo plantio

E ele colheu e dividiu com aqueles
que riram dele um dia...

Uns diriam Ironia...
Outros, SABEDORIA!

Janete Sales Dany
Poema@ Registrado e imortalizado
na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro
No Livro Manto Santo e outras - Página 12


Soneto Livro Triste -
Decassílabo Heroico

No meu livro da vida não tem mar
Nele não vejo o céu se apresentando
Sequer há brilho ali dentro do olhar
O meu sorriso vivo procurando

Lendo e relendo quase até cegar
Linhas em branco vão me perturbando
O tempo roubou sem dó o verbo amar
O abraço que adorei foi se afastando

Onde estão as brincadeiras de criança?
A estrela que brilhava e era esperança?
O fascínio da estrada colorida?

Tenho medo de olhar o meu final
Almejo o sol e temo o temporal
Ocultaram a história desta vida

Janete Sales Dany
Poema @ todos os direitos reservados
Registrado e imortalizado na Biblioteca Nacional
no livro: Soneto mar e outras
10/02/2016 ás 22:36
São Paulo - Brasil


Poesia do adeus para sempre!
Olho no céu azul e penso em quem não está mais aqui
Lembro-me dos olhos e do sorriso que já não me sorri
Do abraço que já não me abraça mais
Da companhia de alguém que me causava paz!

A voz que meus ouvidos escutavam todos os dias
Presença que se findou como o final de uma bela melodia
E lá no horizonte a saudade se encaminha como quem procura
Como se esquecesse do adeus selado na sepultura!

Onde está o calor que aquece o coração?
Só restam imagens que se afloram na minha imaginação
Queria que o tempo retornasse para antes do adeus para sempre
O meu abraço seria tão intenso que duraria eternamente!

Não mando nas leis da natureza, é verdade!
Deveria existir um remédio para curar a saudade
Ainda teria o aceno forçado e a lágrima caída
Porém não levaríamos para sempre a dor da despedida

Hoje eu estou aqui e muitos estão
Amanhã talvez eu não esteja e muitos não estarão
Olhe do seu lado e abrace todos que puder abraçar
Entre encontros e despedidas vamos sorrir para depois chorar!
Janete Sales Dany
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Poesia registrada na Biblioteca Nacional


O Amor Cura Tudo <3
Acróstico

O-O amor é como uma proteção

A-A melhor atitude é tê-lo no coração
M-Mãe no leito do filho faz uma oração
O-Olhos ávidos pelo riso de um irmão
R-Rosas abertas num oásis para a visão

C-Cura eficaz de toda ferida aberta
U-Uma escolha que leva a trilha certa
R-Raios de luz que orienta uma vida
A-Amar é revelar a indestrutível saída

T-Ternura evidente no sorriso da criança
U-Um sentimento que é pura esperança
D-Doma um temperamento desumano
O-O curativo neste mundo tão profano!


Sonhadora

Eu sou uma sonhadora
Sonho com pessoas que nunca existiram
Sonho em rever estrelas que sumiram

Sempre imagino que a vida está só brincando
Caminho no invisível sem saber onde estou pisando
O chão é seco, mas a alma está chorando

Eu sou uma sonhadora
Não aceito que eu fui esquecida
De tanto sonhar eu perdi a vida


PREFIRO SER EU MESMA

Prefiro ser o fracasso
recheado de verdades...

Do que ser a vitória
feita só na mentira!

Prefiro ser eu mesma,
com as minhas limitações...

Do que ter a pretensão,
de ser alguém que eu nunca vou ser!

Enfim, prefiro subir a montanha
vivenciando todas as dificuldades...

Do que usar da trapaça
para estar lá em cima
e saber que eu furtei
o lugar de outro alguém!

Se eu vencer será
pelos meus méritos

O que obtenho com isto?
Quando eu olhar no espelho,
não terei vergonha dos meus olhos!


VATE SEM SORRISO
Soneto Decassílabo Heroico

Sol da manhã que adentra no meu ser
Ri da minha tristeza tão potente
Sou vate sem sorriso, vou sofrer!
Eu fiz trovas de amor, sou comovente...

Recebi a mudez firme, vou morrer!
O mal que me abraçou cravou na mente...
O afeto feneceu no amanhecer
Choro tanto e me afogo nesta enchente!

Sem sorriso, sou nada nesta vida...
Sem flama, sou flagelo e despedida!
Imploro, chamo a morte dolorosa...

E este fim não me quer, sou desprezível...
Quebro o espelho sem dó, que dor terrível!
É triste o meu jardim, não tem mais rosa...

Janete Sales Dany
São Paulo - Brasil
Poema@protegido por lei
Registrado e Imortalizado
na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro
No livro: Vilarejo do preconceito e outras
Página 11


EU TIVE SORTE 

Muitos diziam...
-A flor morreu!
-A flor morreu!
E veio o sol e veio à chuva!
E a florzinha estava murcha
Então pisaram na flor!
Quanto desamor!
E logo chegou a primavera
E muitos se assustaram; lá estava ela...
Mais viva do que nunca.
A flor renasceu!
Como será que ela sobreviveu?
E ela respondeu
-Quando o mundo prenunciava a minha morte...
Eu tive sorte! Fui amparada por Deus!
Janete Sales Dany
Poesia Imortalizada e registrada na Biblioteca Nacional
do Rio de Janeiro - No livro:
"O SAL QUEIMA A LÍNGUA, PORÉM TIRA O MAL OLHADO" E OUTRAS Registro: 624465, em 29/11/2013
Gênero: Poesia
Página 08


COLO DE MÃE

Mãe é aquela que carrega no colo
Lugar seguro, o mais firme solo!
Amor tem sempre para ofertar
A paz presente dentro do olhar

Ensina a viver a vida com o coração...
Aponta o caminho, a direção!
Adorável criatura, a melhor companhia...
Inspiração sublime para uma poesia

Fortaleza. Amor que nunca irá morrer!
Sempre oferece os braços para proteger
Ternura infinita que só quer agasalhar...
Um céu repleto de estrelas a brilhar!

Janete Sales Dany

Todos os direitos reservados
Imagem e poesia de Janete Sales Dany


Passarinho Cativante
Soneto Decassílabo Heroico

Vistoso passarinho cativante
Esteve em tantos céus que já nem sei
Voou por cima da mata verdejante
Horizontes que nunca vislumbrei

Com as asas abertas é galante
Natureza mais bela que enxerguei
Fascina como a estrela que é brilhante
Apareceu num sonho que sonhei

Quando amanhece canta tão feliz
Vive numa emoção que eu tanto quis
Possui todo o céu para desfrutar

Alegre passarinho que me encanta
Se te olho logo foge e até se espanta
Vem cantar, eu só quero te escutar!

Janete Sales Dany
T5598435
Poema@protegido por lei
Registrado na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro


Aprendi a lutar contra a falsidade

Eu batalhei com as mãos machucadas
E segui em frente com os pés cansados
Fui percebendo as pedras nas estradas
Não notaram os meus olhos molhados

Vi perecendo o meu mundo de fadas
Meus sonhos no céu, pássaros alados!
E zombaram de mim, ouvi as risadas
Eu tive que pagar os meus pecados

Haverá sempre quem aponte o dedo
E de atos assim eu não tenho medo
Aprendi a lutar contra a falsidade

Nunca me julgue quando ver meu rosto
O que sou nele nunca estará exposto
É dentro de mim que mora a verdade

Janete Sales Dany
Poema@todos os direitos reservados
Registrado na Biblioteca Nacional
"No livro Cântico da Eternidade e outras"


SONETO ALMA POETA

Sou poema vadio e sem nenhum pudor
Sou linha que se perde neste agora
Sou belo verso amante e sonhador
Sou verve a lamentar o olhar que chora

A inspiração malandra do ofensor
Tem horas que sou amor que revigora
Sou mundo sorridente e aterrador
Tenho o rosto tristonho que te implora!

Não tente me enxergar, talvez sou mar...
Almejam me encontrar, sou verbo amar!
Escrevo frase incerta e tão correta

Exponho a minha vida sem querer
E a cada instante abraço o meu viver
Não queira me entender, eu sou poeta!

Janete Sales Dany
24/01/2015
Todos os direitos reservados
Registrado na Biblioteca Nacional


"Meu amor, as estrelas do céu são saudades!"

Meu amor, as estrelas do céu são saudades!
Cada brilho é a lembrança do que se passou
Meu olhar se perdeu e padeceu de vontades
Lastimou que não verá mais a luz que brilhou.

O tempo rebelde comunica que tudo acabou
Toda espera foi exaurida pelas tempestades
Meu amor, as estrelas do céu são saudades!
Cada brilho é a lembrança do que se passou.

Árduo é ter que conviver com as verdades
A minha janela é o passado que não voltou
À noite admiro o elevado através das grades
Cada brilho é a lembrança do que se passou
Meu amor, as estrelas do céu são saudades!

Janete Sales Dany